André Villas-Boas: O mais importante é fazermos a nossa parte
Adicionado | Autor | Comentários

Nos dias que antecedem a última jornada da Liga Russa o treinador do Zenit falou sobre os acontecimentos que marcaram o fim do jogo frente ao Dinamo, explicou as razões para o resultado negativo nessa partida e relembrou que antes de olhar para o resultado do CSKA-Lokomotiv o Zenit tem de vencer a sua partida.

- O Zenit encontra-se agora numa situação em que não depende de si. Qual é o ambiente entre os jogadores? Como vai preparar este jogo em Krasnodar? E tem esperanças que o jogo entre o CSKA e Lokomotiv termine com o resultado desejado para si?
- Há dois resultados que nos servem e que nos podem dar o campeonato. O mais importante agora para o Zenit é ganhar o seu próprio jogo. Se isso acontecer então depois pode-se ficar à espera que aconteça um desses resultados, que é o empate ou a vitória do Lokomotiv. Obviamente que o CSKA depende de si para ser campeão, essa é a grande mudança de uma jornada para a outra, mas o mais importante para nós agora é fazermos a nossa parte ganhando o nosso jogo.

- Quais são as suas palavras para os adeptos que não permitiram que o jogo frente ao Dinamo chegasse ao fim? Pode dizer-lhes algumas palavras sobre a necessidade de apoiarem a equipa, verem futebol e não serem o centro das atenções com estas acções?
- É uma situação que é lamentável e que não deve acontecer num estádio de futebol, principalmente porque levou à agressão de um jogador do Dinamo. Situações como esta não têm espaço no futebol. A violência não deve ter espaço, o racismo também não deve ter espaço e situações como a que presenciamos no Domingo são muito difíceis de ver. Nós lamentamos profundamente o que se passou e de alguma forma nós clube temos de ser mais activos com os adeptos para que estas coisas não voltem a acontecer.

- O Zenit venceu os primeiros 6 jogos consigo no comando mas depois em dois jogos importantes apenas fez 1 ponto. O que aconteceu? A equipa não esteve no seu melhor ou aconteceu algo mais?
- Concordo em relação às 6 vitórias consecutivas e penso que o empate for a com o Lokomotiv também foi positivo para o Zenit e não pode ser enquadrado como um resultado negativo. O único resultado negativo que tivemos foi este com o Dinamo Moscovo. Foi um resultado que não queríamos e não estávamos à espera. Fizemos muitos erros, principalmente erros defensivos, tivemos algumas hipóteses para matar o jogo, não só na primeira parte como também na segunda parte e demos sempre a hipótese ao Dinamo de voltar ao jogo. Portanto o que nós fizemos neste momento foi trabalhar com os jogadores, analisar o vídeo dos erros que fizemos e prepara-los para dar uma resposta no jogo frente ao Kuban.

- Nos últimos jogos com o Lokomotiv e Dinamo a sua estratégia foi diferente? Porque em ambos os jogos o Zenit chegou à vantagem, deixou-se empatar e depois não foi capaz de voltar à liderança no marcador. Qual a razão para isso?
- No jogo com o Lokomotiv marcamos primeiro, o Lokomotiv empatou e o Zenit teve hipóteses para fazer o 2-1. No jogo frente ao Dinamo também marcamos primeiro, deixamos o Dinamo empatar e se olhar bem para o jogo todas as hipóteses que o Dinamo teve conseguir concretizar. Das cinco oportunidades que teve marcou quatro golos. A diferença entre as duas equipas foi a eficácia em frente à baliza e os erros defensivos. Não penso que tenha a ver com estratégia. Obviamente que a equipa tem de fazer melhor, todos nós temos de fazer melhor e temos responsabilidade neste resultado tão negativo para o Zenit, principalmente o treinador como máximo responsável. Mas o mais importante é a equipa analisar os próprios erros e responder imediatamente no próximo jogo.

- Como explica estes jogos menos bem conseguido por parte do Hulk? Frente ao Dinamo acabou por substitui-lo. O que ele estava a fazer mal?
- Foram dois jogos que não lhe correram tão bem e quando isso acontece se o treinador decidir que tem de fazer alterações assim será. Foi isso que se passou, naquele momento do jogo contra o Dinamo mudamos para dois avançados, entendemos que a entrada do Kerzhakov era importante para a equipa e por isso fizemos a substituição. Acreditamos muito no Hulk, é um dos melhores jogadores do mundo, portanto o nosso trabalho enquanto treinador é agora recupera-lo mentalmente porque sabemos que o que ele tem para oferecer é muito mais do que o que ofereceu nos dois últimos jogos.

- O Zenit vai jogar frente ao Kuban e os jogos frente a esta equipa nunca foram fáceis. Sabe com o que contar deste adversário e como conseguir o resultado necessário?
- Temos de preparar o jogo. Pela primeira vez não há muito tempo para o preparar pois o jogo é já na Quinta-Feira. Temos os jogadores ainda a recuperar do jogo frente ao Dinamo e portanto o tempo é pouco, mas é pouco para ambas as equipas. Temos principalmente de recuperar os jogadores mentalmente, saber que é um jogo que nos pode dar o campeonato e temos de entrar com outra agressividade e determinação em campo. Temos de dar um sinal forte que queremos ganhar e acreditar que do outro lado o Lokomotiv possa impedir o CSKA de ganhar.

- O encontro do comité disciplinar vai ser amanhã e é possível assumir que nada de bom espera o Zenit após essa reunião. Mas aqui no centro de treino ouvimos que os jogadores estão bem-dispostos. Como avalia a sua condição antes de se saber o veredicto do comité?
- Agora temos de esperar pela decisão o Comité de Disciplina, que infelizmente pode ditar a interdição do Estádio por alguns jogos e isso nunca vai facilitar a tarefa do Zenit quando jogar em casa. Portanto isso são situações que não ajudam e daí a esperamos que se o clube intervir junto dos adeptos que eles possam aprender a comportar-se doutra forma. Como pode imaginar o estado psicológico da equipa neste momento é mais difícil. A equipa quer voltar a ganhar e nós estamos determinados em fazer com que isso aconteça.

- A forma como o Hulk reagiu à sua substituição não mostra que a falta de disciplina do clube e dos adeptos estão relacionadas? Isto porque se uma das estrelas da equipa não concorda com a decisão do treinador, não podem os adeptos pensar que também não têm de respeitar certas regras?
- Em primeiro lugar não penso que exista uma relação. Depois penso que a disciplina de grupo diz respeito ao grupo, não é para ser discutida em público nem na praça pública. Houve conversa com o jogador, houve conversa com o grupo e não têm de ser discutidas em público quais são ou não as sanções de determinado comportamento. Foi um comportamento que na minha opinião foi inadequado, que não pode acontecer, mas que não tornaremos públicas as acções que vamos tomar relativamente ao jogar e não penso que tenha algo a ver com os incidentes que se passaram a seguir.

- Teve alguma conversa com a direcção do Zenit após esta situação dos adeptos, até pelo facto de ter um contracto por mais 2 anos? E em relação aos jogadores para o próximo jogo, alguém lesionado? Como vimos, no último jogo o Ryazantsev saiu lesionado. Mais alguém não pode jogar?
- Sim, infelizmente o Ryazantsev vai ficar fora do jogo, tem uma lesão muscular. Em relação à situação que se passou obviamente que falei com os directores para que possam intervir neste tipo de situações

Voltar a lista

Array